Publicado por: lilicasinger | setembro 3, 2010

Maní

Comida boa tem em muitos lugares. Porém são poucos que proporcionam experiências gastronômicas memoráveis. A visita ao Maní foi mais do que um simples jantar, foi um ritual que começou com a longa espera e terminou mais de três horas depois que chegamos ao restaurante.

A espera de quase uma hora passou voando: para acompanhar o vinho provamos as mini bruschettas com queijo brie, presunto parma, figo e mel que nos entreteve por um bom tempo. Aproveitamos também para olhar o cardápio com calma e observar o ambiente que é tão encantador quanto ao site deles!

A escolha do prato não foi fácil. O cardápio parece o resultado de uma longa pesquisa científica: novas texturas e novas técnicas intrigam os clientes já acostumados com os clássicos como a salada Waldorf, que na versão “normal” leva maçã, nozes e salsão picadinhos e a versão “Helena Rizzo” vem com gelatina de maçã, sorbet de salsão e nozes carameladas.

O Thiago escolheu o peixe do dia (robalo) a baixa temperatura no tucupi com banana da terra, seduzido pelo tucupi, que ele, erroneamente, acreditava ser o responsável pela sensação anestésica dos poucos patos no tucupi provados na vida. (O ingrediente anestésico é uma erva chamada jambu). O peixe estava tenro e não tinha o sabor super suave. A espuma completava a leveza do prato e o Thiago nem pareceu desiludido por não ter sentido a ardência na boca.

Peixe do dia a baixa temperatura no tucupi

Eu pedi a paleta de cordeiro cozida a baixa temperatura com tubérculos assados e farofa de castanha do pará. A carne estava muito macia e sem gordura e os tubérculos (batata, batata-doce, madioquinha) assados perfeitamente. A farofa era bem gostosa também, mas achei que deixou o prato muito seco (tive a impressão de que o molho da carne não foi suficiente para balancear a secura da farofa).

Paleta de cordeiro cozida a baixa temperatura

Para finalizar, pedimos a espuma de nutella com sorvete de gengibre e calda de mexerica. A espuma estava divina, o sorvete delicioso (apesar da bola ser minúscula) e a calda mal conseguimos provar (são esses quatro pontinhos amarelos que aparecem na foto e mais parecem decoração do prato.

Espuma de Nutella

Os preços não são lá muito convidativos, mas achei que valeu muito a pena pela experiência que tivemos. O Maní não é um restaurante para todo dia, é especial e deve ser visitado para ser surpreendido. Acredito que o Maní antecipou a nova tendência oferecendo ingredientes naturais e valorizando o que temos no Brasil.

Maní

Rua Joaquim Antunes, 210  –  Jardim Paulistano

Tel: 3085-4148

www.manimanioca.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: